quarta-feira, 25 de junho de 2008

Quero-te

Fosse eu a inocência
para me voltar a perder
vezes sem fim, numa vertigem
sempre nova, espiral de sensações
onde os pontos nunca se tocam.
Como as ondas
que nunca lambem a mesma areia.
Como o vento
que nunca cheira o mesmo lixo.
O desejo de querer mais...
Mata-me devagarinho
deixa-me sentir a novidade.
Faz-me pedir mais
com uma voz de sussurro
som de onda de mar chão
numa noite sem lua

5 comentários:

Azelpds disse...

Weird, tinha deixado aqui um comment mas parece que desapareceu. 0_o

Como dizia, tendo a repetir-me, mas ya, é mais um texto muito bonito. Gosto da mensagem e maneira como ela está expressa. :)

liliana_lourenco disse...

Que bonito Sofia...
Escreves muito bem. Parabéns!!!

**

Sofia disse...

Heartfelt THX for both :)

Sweet Lily: feliz por teres gostado! Afinal parece que o blog não vai ser só música, aos poucos vou descobrindo que ainda há muito cá dentro e a fonte não secou. ;)

Azel: estaria destinada a não ser lida? *_* creepy!

A minha forma de escrever/descrever sentimentos esteve sempre muito ligada a imagens, acho que tenho uma escrita "visual". A mensagem, seja ela de que espécie for, é quase sempre expressa de um modo que se pode ver, depois cada um desconstroi e vê como quer. Com as suas próprias analogias de imagens. Olha... tou prá qui a teorizar... é assim que sai naturalmente e se gosto do resultado, fica :)

Thx, uma vez mais, fico feliz e menos insegura sobre continuar ;)

§

Azelpds disse...

Acabamos por teorizar sempre um pouco, mas ya, depois o que sai é o que sai, e cada pessoa tira as suas próprias ilações, algumas que até nem pensámos bem na altura mas que até têm a sua lógica. :)

Sofia disse...

;)