terça-feira, 13 de janeiro de 2009

...

Fecho os olhos ao mesmo tempo que sinto nascer um sorriso
e fico assim em estado de graça sarcástica
Podia petrificar, a começar pelas pontas dos dedos que estão geladas

Muito quieta, sentia o formigueiro a tomar conta de mim
pedacinho por pedacinho, com uma paz indescritível
Mármore rosado, para se notarem os sinais e as veias

Quando me descobrissem talvez mil anos passados
no meio de uns quaisquer escombros
a erosão já teria apagado o detalhe das nervuras
nas penas das minhas asas

§


Discover Anna Ternheim!

3 comentários:

Azelpds disse...

o_0 wow, muito bom.

Estamos numa fase criativa está visto. Adorei e dá para várias interpretações consoante seguimos as palavras e viagem da 'personagem'.

E com isto, já devia estar na cama invés de andar aqui a estas horas. Bons sonhos. :p

Sofia disse...

;)
Feliz por teres gostado! Curiosa para saber das "várias interpretações"...

Fiquei encantada ontem qdo ouvi o album que sugeriste, o texto é uma espécie de consequência :)

E sobre as horas, agora estou na ressaca das que não dormi na noite passada. Veremos se a fase criativa é mais forte que o sono :)

§

Azelpds disse...

O álbum dela é assim uma coisa. Tem músicas que bateram mesmo forte nestes lados. Por mais absurdo que pareça, hoje descobri outro que é tão belo como o dela, mas de outra onda. Argh, demasiada coisa para absorver.

As interpretações depende, a cada parágrafo parecia que ia vendo personagens diferentes a percorrer a história que relatas. :)