quarta-feira, 10 de setembro de 2008

A Viagem

"Mais um passo em frente" penso e afirmo para mim próprio, numa tentativa de envergonhar a hesitação e de assustar as fragilidades.

Há os que dizem que começar uma vida nova é como voltar a nascer, pois é bonito, sim senhor. Mas é pura fantasia e aposto que quem subscreve não tem consigo o peso da bagagem que eu carrego.

Embarco numa nova vida, não. Prefiro encara as coisas por outro prisma: embarco num outro percurso deste emaranhado de viagens que é a minha vida. O roteiro inicial não me é desconhecido, já por lá andei; sei que vou encontrar rostos diferentes, vou-me cruzar com corpos desconhecidos, passear por espaços que se modificaram com os anos; vou reparar em pormenores que me escaparam das outras vezes. Tenho outra idade, uma calma diferente; um olhar mais crítico e os ombros vergados pelo peso do que fui arrecadando noutras viagens.

Até podia atirar tudo ao ar, jogar fora o lixo, guardar em sítios especiais as memórias boas e em caixas bem seladas com fechos herméticos tudo o que de mau me aconteceu e chegar à janela e sacudir bem o meu saco. Sacudir até expulsar o último grão de poeira invisível e imperceptível ao toque. Talvez assim partisse mais leve para esta nova viagem... Só que eu não sou assim.

Quando me peso despido tenho o mesmo peso exacto de quando me peso vestido, pronto para partir de saco ao ombro. Minto, desta vez no mostrador da balança apareceram umas décimas de grama a mais. Mas eu sei a que se devem: trago no estômago dezenas de borboletas irrequietas que não param de dar às asas.

"Mais um passo em frente" penso, logo que esteja mais confiante e possa parar, descansar e respirar fundo, vou ver um arco-íris de cores a escapar-se pela minha boca. Dezenas de borboletas voarão rumo à liberdade.
Ficarei mais leve.

§

Boomp3.com

4 comentários:

liliana_lourenco disse...

"Mais um passo em frente" penso, logo que esteja mais confiante e possa parar, descansar e respirar fundo, vou ver um arco-íris de cores a escapar-se pela minha boca. Dezenas de borboletas voarão rumo à liberdade.
Ficarei mais leve.

Olha que bonito.

Bonito texto e bonito final.

E sim, as malditas borboletas às vezes conseguem ter um enorme peso na vida de uma pessoa. :)

**

Azelpds disse...

Isto demorou um bocado, mas lá consegui comentar. :p

Gostei muito do texto, com destaque para o final claro, que além de muito bonito, é brutal. E voltamos a ter uma personagem masculina, interesting. ;)

Sofia disse...

Lily:
:) Thx!
e se de vez em quando sentires esse peso... respira fundo! Melhora tudo ;)
__________________________

Azel:
Deixa lá a demora. Bem pior ando eu, que tou a desesperar, passo pelos blogs a correr e nem digo nada... a ver se as coisas esta semana entram nos eixos e volto a criar rotinas.

Thx :) para ti tb, fico mesmo muito feliz por gostarem. e "brutal"... WOW! :) :) :)

Vou-me descobrindo, surpreendendo e multiplicando à medida que escrevo. São sensações muito boas! Poder transmitir, partilhar e ter o vosso 'feedback' ainda melhora tudo.

Obrigado aos dois do fundo do coração ;)
§

Azelpds disse...

Deixa lá, melhores tempos virão em termos disso de teres mais tempo. Agora é tempo de reorganizares a tua vida digamos assim, e depois o resto. :p

:)