sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Lust

As pontas dos teus dedos
passeiam-se na palma da minha mão
desenhas letras, arabescos,
observas com calma a ânsia no meu olhar
disfarço, faço de conta que não é nada
respiro a música, fecho os olhos,
penso na maré revolta que me invade.

O arrepio de sentir o teu toque
a vertigem dos teus lábios a abocanharem os meus
o desejo urgente do calor da tua pele
quando se esmaga contra a minha,
a mão que me agarra o cabelo na nuca
e ajeita até à posição querida
num bailar de corpos violento
doce
abandono-me
somos à vez submissos e controladores
desta dança dos sentidos
entras em mim
mordo-te
vingas-te ao fazer-me esperar
e eu disparo num frenezim de movimento
em direcção ao infinito
para teu prazer
minha volúpia...

Frase batida: como se não houvesse amanhã.
Volto a respirar a música,
todos os poros em mim inspiram
abro os olhos
estou só, para além do tempo,
para além do sonho.

§

Boomp3.com

Boomp3.com

6 comentários:

luis disse...

Nåo sei o que lês ,mas sei o que escreves,e o que escreves, cada vez està mais intenso, com mais sentimento,com mais...faltam as palavras para qualificar a beleza dos teus "poemas",continua, parabéns està lindo
BAJOKA

Azelpds disse...

Muito nice. Sensual e familiar, e descreve de uma maneira excelente certos sentimentos e momentos.

Sofia disse...

Luís: Obrigado! Feliz por teres gostado, volta sempre ;)

---------

Azel: Thx. Não consigo deixar de sorrir ao tropeçar numa das tuas palavras acima: "familiar" - Ilumina-me, please!

§

Azelpds disse...

Familiar porque descreve momentos que me são familiares, e de uma maneira de sentir que vai nessa direcção também. :)

Sofia disse...

:)
pois...

§

Azelpds disse...

:)